20 de dezembro de 2012

FELIZ NATAL!




Fonte: www.poracaso.com

SOZINHA NO BRASIL

Por Ruy Castro
 
 
Numa época, meados do século 19, em que máquinas fotográficas eram um trambolho e, ao mesmo tempo, um luxo, quem retratava a natureza eram os artistas viajantes, com seus lápis e pincéis. Por sorte, ainda havia muita natureza a retratar, principalmente no Brasil, embora, entre uma viagem e outra, os europeus que nos visitavam já percebessem o começo da devastação.
 
Um desses artistas só está sendo revelado agora: a inglesa Marianne North (1830-1890). Sua viagem ao Brasil, em 1872-73, lhe rendeu 112 pinturas a óleo sobre papel da nossa paisagem e flora -o que supera em número a obra de Thomas Ender, Rugendas e Debret no gênero, além de antecipar em cem anos a de outra inglesa, a querida Margaret Mee (1909-1988). A íntegra de sua produção brasileira está no livro "A Viagem ao Brasil de Marianne North", com texto de Julio Bandeira, recém-lançado pela Sextante.
 
Marianne veio ao Brasil sozinha, o que não foi pouca façanha, e, pelo que pintou e escreveu, nunca se arrependeu. Era fascinada pelas árvores, plantas, flores, frutas, borboletas e cobras com que deparava, e deixou um exuberante registro pictórico de tudo isso -com o qual, em Londres, matava seus conterrâneos de inveja.
 
Segundo Bandeira, o único desgosto de Marianne era constatar, a cada passo, a aversão dos brasileiros à floresta, vista como um lugar ameaçador, "um pesadelo a ser destruído". O que a mata virgem provocava na gente da terra era "o nojo, um terror iluminado apenas pelo clarão ardente das queimadas". E não se conformava com a total ausência de naturalistas brasileiros -como se a riqueza natural não fosse digna de estudo.
 
Quase 150 anos depois, se Marianne voltasse aqui, não lhe faltariam brasileiros com quem discutir a mata. Entre esses, os defensores de códigos florestais movidos a motosserras.
 
A crônica foi publicada no Jornal Folha de S. Paulo, mas eu li no www.irbianchi.com
 

16 de novembro de 2012

2 de novembro de 2012

SUICÍDIOS EM BLUMENAU E REGIÃO

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
No último dia 12 de Outubro, o jornalista Luis Nassif postou em seu blog  artigo destacando o número de 90 suicídios apurados entre os meses de janeiro e agosto de 2012.
 
Segundo a OMS, o número de suicídios considerado normal é de 4 para cada 100 mil habitantes, o que assusta quando se compara com os números apurados em Blumenau (município com 250 mil habitantes).
 
Nessa mesma linha, soube oficiosamente (pois não há divulgação oficial) que a minha cidade (Jaraguá do Sul - SC), localizada a aproximadamente 60km de Blumenau e com população de aproximadamente 150 mil habitantes,  apresentou 20 casos de suicídio entre os meses de janeiro e setembro de 2012, um número significativamente menor do que Blumenau, mas além da taxa de "normalidade".
 
Apesar de ser uma região desenvolvida e rica, o excessivo apego material, o uso excessivo de drogas lícitas e ilícitas e a pressão para a obtenção do sucesso como pressuposto para a aceitação social, podem ser fatores importantes para a formação dessa estatística.
 
Quando leio assuntos dessa natureza, sempre me recordo do pensamento de um Poeta Português, que dizia o seguinte: "Todo suicída quer ser encontrado, vivo ou morto!"
 

23 de outubro de 2012

AUTO-RETRATO (MÁRIO QUINTANA)



















No retrato que me faço
- traço a traço -
às vezes me pinto nuvem,
às vezes me pinto árvore…

às vezes me pinto coisas
de que nem há mais lembrança…
ou coisas que não existem
mas que um dia existirão…

e, desta lida, em que busco
- pouco a pouco -
minha eterna semelhança,

no final, que restará?
Um desenho de criança…
Corrigido por um louco!

4 de setembro de 2012

YOGA E MEDITAÇÃO PARA "LIBERTAR" PRESOS

Condenado a quatro anos em regime fechado, acusado de roubo, o mineiro Manoel Fagundes, de 45 anos, diz que viu uma porta se abrir diante dele no Presídio Evaristo de Moraes, em São Cristóvão, onde está preso há um ano e seis meses. As grades que cercam o lugar continuam bem trancadas e, segundo Manoel, essa experiência só foi possível graças aos cursos de meditação e ioga oferecidos dentro da casa de detenção, semanalmente, para cerca de 40 internos. As aulas fazem parte do projeto voluntário Prision Smart, criado pela Fundação Arte de Viver, voltado para a reabilitação de presos.
 
Cerca de 400 detentos já foram beneficiados pelo programa no Evaristo de Moraes que, por enquanto, é a única cadeia do estado do Rio de Janeiro a ter esse tipo de atividade.
 
Fundada há 30 anos, presente em 156 países e há dez anos no Brasil, a Arte de Viver oferece cursos de fortalecimento individual e ensina técnicas de respiração que ajudam os internos a eliminar emoções negativas. As aulas têm o mesmo conteúdo dos cursos realizados fora da prisão. Na cadeia o objetivo é o mesmo e, segundo Manoel, quando medita o preso consegue sentir amor, fé e esperança, sentimentos que ajudam os detentos a conviver com a privação de liberdade.
 
- Os presos aprendem técnicas de limpeza, esvaziam a mente. Ensinamos a sudarshan kriya, uma técnica de respiração que funciona como uma ação purificadora, traz a visão clara e ajuda a eliminar toxinas. É uma limpeza em nível celular - diz a advogada Carolina Jourdan, que dá aulas para os presos e integra a Arte de Viver, fundada pelo líder espiritual indiano Sri Sri Ravi Shankar, que está em visita ao Brasil.
 
Segundo ela, as mudanças de comportamento são visíveis:
 
- Você vê que a transformação é verdadeira, não tem como dissimular. Eles são muito sinceros, não têm máscaras.
 
- É como um espelho que está sendo limpo, um fenômeno mágico - diz o interno, que alega segredo de Justiça para não dar detalhes sobre sua condenação, mas não esconde a satisfação ao tentar mudar o seu destino. - Estou aprendendo a viver o presente. A gente fica preso ao passado, às angústias e, com a meditação, afloram muitas sensações. Costumo dizer que médicos dão remédios para curar os males do corpo e, para curar conflitos sociais e jurídicos, levam para a casa de detenção. Mas ainda não há um tratamento para isso, é preciso pensar nisso, se antecipar, oferecer tratamento psicológico para quem está no presídio.
 
Há 26 anos vivendo no sistema carcerário, com passagens por unidades que já foram desativadas e até demolidas, como o presídio da Frei Caneca, Cristiano José da Silva perdeu a liberdade aos 23 anos. Hoje, aos 49, faz uma análise fria da cadeia: segundo ele, o modelo tradicional de detenção no país não é capaz de recuperar os internos.
 
- Nunca tinha visto nada que levasse bem-estar ao preso. Eram só brigas e mortes. Vi algumas rebeliões. Mas, graças a Deus, a Arte de Viver me trouxe uma paz inexplicável. Sinto mais amor hoje em dia - diz Cristiano, que foi condenado a 68 anos de prisão por assalto, tráfico e homicídio e, para se reencontrar, teve que passar por um processo de desintoxicação pessoal. - Tivemos uma aula muito intensa, falei durante cinco minutos sobre mim mesmo, não estava preparado, não sabia controlar minha respiração. No dia seguinte não consegui sair da cela, senti náusea, tive diarreia, fiquei deitado durante dois dias. Depois eu soube que isso já ocorreu com outras pessoas.
 
Os detentos que fazem o curso de meditação são orientados a passar uma semana em silêncio e usam uma plaquinha no peito, indicando que não podem falar. A tarefa é complicada porque os companheiros de cela ficam curiosos, mas tentam colaborar.
 
Fonte: O Globo

3 de setembro de 2012

SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DO DIREITO DE MORRER

A resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) que permite aos pacientes dizer não à sobrevida artificial em casos de doenças crônicas e terminais esbarra na falta de um respaldo legal. Apesar de terem entrado em vigor ontem, as diretivas antecipadas de vontade foram entendidas por especialistas no tema como o pontapé para que o Congresso Nacional legisle sobre o assunto.
 
O deputado federal Hugo Leal (PSC-RJ), autor do único projeto de lei sobre o assunto na Câmara, espera que o texto, parado desde 2009 na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, ganhe força para voltar ao fluxo de tramitação. “A decisão do CFM é válida, mas falta uma marco regulatório”, defende. A expectativa de Leal é de que o tema entre em discussão e se aperfeiçoe. Uma das alterações sugeridas por ele é a criação de um modelo de manifestação da vontade com abrangência maior que a do prontuário — como ficou definido na resolução do CFM. “Pode ser o mesmo formato da doação de órgãos, com planejamento semelhante. Atualmente, essa opção fica registrada na carteira de identidade. Poderíamos adotar o método e deixar explícito o cuidado que a pessoa quer”, defende. O parlamentar, porém, reconhece que o procedimento é complicado e, por isso, merece uma discussão.
 
Fonte: Correio Braziliense

24 de agosto de 2012

UNIÃO POLIAFETIVA

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Após três anos de convivência sob o mesmo teto, duas mulheres e um homem optaram por regularizar a situação matrimonial e estabelecer, em cartório, as mesmas regras atribuídas ao casamento. O caso ocorreu em Tupã (a 435 km de São Paulo), em maio deste ano, mas só foi divulgado nesta semana, depois da publicação no Diário Oficial do Estado de uma Escritura Pública de União Poliafetiva.
 
O documento, uma espécie de contrato, foi feito no Cartório de Notas e Protestos da cidade pela tabeliã Cláudia Domingues. Segundo ela, essa escritura pode ser a primeira que trata sobre uniões poliafetivas no País. "O desejo dessas pessoas foi declarar publicamente essa situação e ter a garantia dos seus direitos", disse a tabeliã. Os nomes foram mantidos em sigilo pelo cartório. O trio já havia procurado outros profissionais da cidade, que não quiseram registrar o documento. Mas, após analisar a questão, Cláudia avaliou que não existia impedimento.
 
Para o juiz Nilton Santos Oliveira, da 2.ª Vara de Direito da Família de Araçatuba, o documento é um instrumento legal. "Não vejo nada de irregular. A sociedade avança e não podemos fechar os olhos para isso. Temos de acompanhar a evolução e adequar a legislação com base em casos concretos."
 
Para a vice-presidente do Instituto Brasileiro de Família (Ibdfam), Maria Berenice Dias, a sociedade deve se preparar para os diversos tipos de relacionamento que existem hoje em dia. Por meio de nota, Maria Berenice diz que é preciso "respeitar a natureza privada dos relacionamentos e aprender a viver nesta sociedade plural, reconhecendo os diferentes desejos". "O princípio da monogamia não está na Constituição, é cultural. O Código Civil proíbe apenas casamento entre pessoas casadas, o que não é o caso. Essas pessoas trabalham, contribuem e devem ter seus direitos garantidos. A Justiça não pode chancelar a injustiça."
 
A escritura lavrada em Tupã trata dos direitos e deveres dos envolvidos, das relações patrimoniais e da eventual dissolução da união e seus efeitos jurídicos. Um dos principais trechos diz: "Os declarantes, diante da lacuna legal no reconhecimento desse modelo de união afetiva múltipla e simultânea, intentam estabelecer as regras para a garantia de seus direitos e deveres, pretendendo vê-las reconhecidas e respeitadas social, econômica e juridicamente, em caso de questionamentos ou litígios surgidos entre si ou com terceiros, tendo por base os princípios constitucionais da liberdade, dignidade e igualdade."
 
Conforme o Ibdfam, o documento garante direito ao trio no que diz respeito à divisão de bens em caso de separação e morte, mas não trata, por exemplo, de pensão por morte ou financiamento bancário. Segundo o Ibdfam, a escritura estabelece um regime patrimonial de comunhão parcial, análogo ao regime da comunhão parcial de bens estabelecido pelo Código Civil Brasileiro.
 
No documento ficou decidido que um dos conviventes administrará os bens. Dentre os direitos e deveres dos envolvidos está a assistência material e emocional eventualmente para o bem-estar individual e comum, o dever da lealdade e a manutenção da harmonia na convivência entre os três.
 
Fonte: Jornal O Estado de São Paulo
Notícia encaminhada por: Bruna M. Piazera.

19 de agosto de 2012

ELEIÇÕES OU HIPÓDROMO?



















Há alguns meses escrevi uma crônica a respeito da campanha publicitária dos biscoitos Tostines, que fez muito sucesso na década de 1980.

O mote da campanha era o dilema desafiador: “Tostines vende mais porque é fresquinho, ou é fresquinho porque vende mais?”

A partir disso, diversas dúvidas do cotidiano passaram a ser ludicamente apelidadas de “Dilemas Tostines”. Eu faço parte dessa geração e, portanto, até hoje brinco com esses problemas que propõem soluções contraditórias.

Agora em época de campanha política, surgem os dilemas próprios dessa época, como por exemplo: Fulano é um bom candidato porque é bem votado ou é bem votado, porque é um bom candidato?

O dilema faz sentido, porque o pensamento invertido modifica o fundamento do voto.

Ora, votar em alguém simplesmente porque parece que será bem votado demonstra uma ignorância sem proporções, mas é fato comum, ou você, caro leitor, nunca ouviu alguém dizer vai votar em quem está ganhando “para não jogar o voto fora?”

Votar em quem aparece na frente das pesquisas é algo tão comum, que muitas delas são encomendadas com resultado predeterminado apenas serem divulgadas com o objetivo de iludir o eleitor. Trata-se de velha ferramenta de marketing político. 

Em casa, com seus botões, o ilustrado eleitor quando vê o resultado das pesquisas, desenvolve então o seguinte tirocínio: “se Fulano está na frente é porque deve ser bom, então vou votar nele(a).” Pronto, está consumado o equívoco.

Sim, equívoco, porque o eleitor pode até acertar votando em uma pessoa que posteriormente se revele um bom político, mas o critério de seleção foi errado.

É como se os eleitores, em vez de refletir nas propostas apresentadas e na vida pregressa dos candidatos, apostassem com seus votos no candidato que vai ganhar a corrida. Algo semelhante como ir ao hipódromo.

Votar em quem aparece na frente é como votar no candidato mais bonito. É um critério ridículo, mas na época da campanha presidencial do Fernando Collor de Mello, ouvi mais de uma mulher dizendo que votaria nele porque era jovem e muito bonito.

Mas isso não é "privilégio" das mulheres, afinal, a Mulher Melão (apesar de não eleita) conquistou graças à sua "bagagem política", nada menos do que 1.568 votos em sua campanha para a função de Deputada Estadual pelo PHS do Rio de Janeiro.

Ainda falta muito tempo para que tenhamos uma população politizada e preocupada efetivamente com a “res publica”, porém acredito que já está melhor do que foi e o avanço será contínuo na proporção do desenvolvimento da educação no País.

2 de agosto de 2012

NÃO CREIO NESSE DEUS


























Não sei se és parvo, se és inteligente
— Ao desfrutares vida de nababo
Louvando um Deus, do qual te dizes crente,
Que te livre das garras do diabo
E te faça feliz eternamente.


Não vês que o teu bem-estar faz d’outra gente
A dor, o sofrimento, a fome e a guerra?
E tu não queres p’ra ti o céu e a terra.
— Não te achas egoísta ou exigente?


Não creio nesse Deus que, na igreja,
Escuta, dos beatos, confissões;
Não posso crer num Deus que se maneja,
Em troca de promessas e orações,
P’ra o homem conseguir o que deseja.


Se Deus quer que vivamos irmãmente,
Quem cumpre esse dever por que receia
As iras do divino padre eterno?…
P’ra esses é o céu; porque o inferno
É p’ra quem vive a vida à custa alheia!

(António Aleixo, in “Este Livro que Vos Deixo)

1 de agosto de 2012

DEMAGOGIA



























A palavra demagogia deriva do grego “demagogós” e, quando decomposta, revela ser a junção de “demas”, povo, com “agein”, conduzir.

Portanto, a tão propalada demagogia não é nada mais do que a estratégia de conduzir a vontade do povo (especialmente em relação ao voto), para alcançar o exercício do poder público.

Na sua origem, a palavra não detinha o sentido pejorativo que lhe foi atualmente emprestado. Ao contrário, representava apenas aquele que tinha a missão de conduzir o povo, o líder.

Com o passar dos tempos, a demagogia passou a ser vista cada vez mais como forma de alcançar o poder a qualquer custo, inclusive enganando e iludindo o povo com os mais diversos artifícios.

Não é preciso dizer que a demagogia ressurge com vigor a cada pleito eleitoral. É durante as campanhas que ela mostra a sua face.

As estratégias utilizadas são as mais diversas, mas destacam-se os discursos populistas e vazios de conteúdo, os falsos elogios dirigidos ao povo, a apresentação de propostas mirabolantes e sabidamente irrealizáveis, a concentração de obras públicas justamente durante o período de campanha, e por aí vai.

Demagogo é aquele que mexe com o ego, com a vaidade e com os sonhos do eleitor para obter a vitória nas urnas, mesmo consciente da falsidade de seus discursos e promessas.

É certo que uma boa quantidade de políticos dessa estirpe obterá êxito nas próximas eleições, afinal Maquiavel já advertia no Século XV que “os homens são tão simplórios, e tão dominados por suas necessidades imediatas, que um mentiroso sempre encontrará súditos prontos para serem enganados.”

Apesar disso, o melhor antídoto contra esses espécimes nefastos que poluem a vida pública, é o raciocínio crítico acerca das propostas apresentadas, o conhecimento a respeito da vida pregressa do candidato, sua qualificação profissional e idoneidade moral. 

Não existem alternativas. Sem um criterioso exame por parte dos eleitores, não haverá evolução na qualidade dos eleitos.

25 de julho de 2012

SOBRE ADORNOS SOCIAIS



















Basta dar um passeio despretensioso pelas ruas da cidade ou circular por uma festa com os olhos atentos, para notar como as pessoas gostam de se enfeitar com colares, correntes, brincos, aneis, pulseiras, óculos, gargantilhas, piercings, alargadores, implantes e tatuagens.

O uso de adornos corpóreos faz parte da cultura-mundo, ou seja, trata-se de valor presente desde tempos imemoriais e nos mais remotos grupos sociais do globo. O que mudam são as espécies e técnicas de enfeites, mas todo grupamento humano os utiliza.

Na grande aldeia dos homens pós-modernos, existem enfeites (quase) despropositados, mas há outros que procuram transmitir uma mensagem expressa como é o caso de algumas tatuagens ou mesmo implícita, como é o caso das joias de alto valor econômico.

No caso das tatuagens, as variações são tantas quantas as personalidades existentes sobre a face da Terra. Vê-se desde frases do tipo “pára-choque de caminhão” até demonstrações de fé religiosa, protestos de revolta e ódio, juras de amor, idolatria, comerciais de marcas famosas, nome dos filhos, dos pais ou do namorado, imagens tribais, eróticas, caveiras, dragões, tigres, seres mitológicos e tudo mais que a imaginação pode proporcionar.

Por outro lado, em se tratando das joias de alto valor econômico, além do elemento estético, podem vir a ser utilizadas como mensagem de poder financeiro e também de pertencimento a determinado grupo ou classe social.

Essa espécie de mensagem implícita de diferença social também pode ser vista no ato de aquisição de bolsas femininas, automóveis, motocicletas de luxo e, claro, roupas.

Há quem não consiga sair de casa sem estar etiquetado, ou seja, com as logomarcas ou siglas de grifes estampadas no peito, na bolsa, nos pés e demais partes do corpo. Ao que parece, certas pessoas sentem-se inferiorizadas ou inseguras se não tiverem marcas que falem por elas ou as apresentem ao público em geral.

É como se preferissem ficar ocultos atrás dos escudos das marcas, com medo de rejeição de sua essência humana ou de permanecer no lugar-comum. Há um desejo narcisista de diferenciar-se, de superar a massa dos iguais, de receber atenção especial.

Nada contra o uso de grifes ou marcas que podem também representar a reconhecida qualidade de um produto. Porém, a dependência psicológica e inconsciente das marcas é que não se mostra saudável, principalmente em relação às crianças já educadas desde a mais tenra idade com a supremacia desse tipo de valor.

No livro “Darwin vai às compras”, o Professor de Psicologia Evolucionista Geoffrey Miller explica detalhadamente como as técnicas utilizadas pelo marketing seduzem batalhões de consumidores (muitas vezes iludidos) ávidos por serem socialmente bem aceitos e poderem atrair parceiros sexuais e amigos através da aquisição de determinados produtos ou serviços.

Não é por acaso que vemos a propaganda do desodorante masculino “Axe” que, ao ser utilizado, atrai mulheres rastejantes que surgem do nada, bem como a mensagem publicitária de que o Ford Fusion “é o carro para quem já chegou lá”. Trata-se de mecanismo que impulsiona a roda do consumo.

Contudo, um mínimo de lucidez, discernimento e consciência é aconselhável para viver de forma saudável em um ambiente inundado por mensagens publicitárias desde o momento em que acordamos até o que voltamos a dormir, a fim de se evitar a ideia distorcida de que o consumo desenfreado é o caminho para a felicidade.

18 de julho de 2012

O VÍCIO DA NEUTRALIDADE



















Não sou daqueles que recita passagens bíblicas para todas as ocasiões, mas há um trecho conhecido do Apocalipse de São João (3: 15,16), do qual frequentemente me recordo e que diz exatamente o seguinte: “Conheço as tuas ações, que não és nem frio nem quente. Quisera eu que fosses frio ou quente. Assim, porque és morno, e não és nem quente nem frio, vou vomitar-te da minha boca.”

Pois bem, foi-se o tempo em que a postura de neutralidade era admissível na vida política e social. Hoje, para receber a qualidade de “cidadão” é imprescindível participar, opinar, formar convicção e, quando possível, auxiliar na tomada de soluções para os problemas da comunidade e da sociedade em geral.

Ao que parece, o receio de desagradar ou criar alguma antipatia que possa influenciar negativamente nos interesses privados, freia a conduta daqueles que, por sua posição privilegiada, deveriam justamente colaborar ativamente em prol da sociedade em geral.

Nota-se com facilidade que o medo impera de forma insana, como se todos fossem viver para sempre carregando o peso de um patrimônio a ser protegido a qualquer custo.

Particularmente, prefiro ter em mente o conteúdo do belo discurso de Steve Jobs, que destacou a importância de relembrarmos da nossa mortalidade e de que já estamos nus. Não há motivo para não seguirmos nossos corações e, assim, manifestarmos nossas convicções e posicionamentos.

Nos momentos de crise moral, quando os valores humanos são subvertidos ou solapados, a omissão é sempre a pior conduta. Silenciar é favorecer quem age à margem da lei e arranha o interesse público. Fechar os olhos é aderir a um conforto que somente favorece interesses particulares. Precisamos, contudo, enxergar além de nossos próprios umbigos.

José Ingenieros com sua lucidez peculiar, já alertava no início do Século XX que em certos momentos “nenhum clamor popular é percebido, não ressoa o eco de grandes vozes animadoras. Todos se apinham em torno dos mantéis oficiais para alcançar alguma migalha da comida. É o clima da mediocridade.”

É bem verdade que a vida é feita de erros e acertos, porém é preferível assumir algum posicionamento do que se omitir em prejuízo de toda a sociedade. A omissão e a neutralidade da sociedade constituem postura conservadora que pertence a um passado inglório que muito mal causou ao Brasil e que, justamente por essa razão, merece ser revista.

11 de julho de 2012

MANIFESTO AOS ELEITORES

Quando expirou o prazo para o registro das candidaturas ao pleito municipal, pensei inicialmente em redigir um manifesto dirigido aos candidatos, pedindo uma campanha política fundada essencialmente na apresentação de propostas coerentes, sérias e honestas.

No entanto, logo depois percebi que os meus pedidos e sugestões devem ser direcionados a quem realmente detém poder neste momento, ou seja, o público eleitor, verdadeiro titular do poder em um Estado Democrático.
Portanto, em vez de dirigir-me aos mais de cento e sessenta candidatos a vereador e aos três candidatos a prefeito(a), falo aos eleitores.
Em primeiro lugar, é necessário ter a perfeita noção da responsabilidade de quem tem o direito-dever de votar, ou seja, de escolher quem representará o povo pelos próximos quatro anos.
 Não se pode mais ignorar a importância de um voto consciente, no sentido de que o eleitor conheça as propostas do candidato, sua vida pregressa, antecedentes de improbidade administrativa, qualificação profissional para a função e experiência administrativa.
Estudemos, pois, a vida daqueles que pretendem figurar como nossos representantes, evitando que novos “Tiriricas” atinjam o objetivo de exercer uma função para a qual não estão qualificados, não sabendo sequer exatamente a essência de suas atividades.
Não podemos ter vereadores que não saibam que além de legislar, devem também fiscalizar os atos do Poder Executivo ou, no mínimo, permitir que algum colega interessado o faça.
Aqueles que pretendem ser legisladores precisam, ao menos, ter condições de ler e interpretar um texto corretamente, entendendo seu alcance e profundidade. Devem conhecer o básico a respeito da função legislativa e propor ações coerentes com a função que pretendem desenvolver.
Já os candidatos a Prefeito devem ter conduta ilibada, experiência administrativa e uma qualificação profissional mínima para o exercício de tão importante função pública.
Portanto, salvo melhor juízo, não se pode prestigiar a candidatura de quem já foi acusado e condenado pela prática de improbidade administrativa, ou seja, de desonestidade com o uso de recursos públicos.
Se na vida privada todos merecem ter uma segunda chance em caso de falhas, tal não ocorre na vida pública. Quem atenta uma vez contra os postulados de moralidade e honestidade no trato com a coisa pública, merece ser condenado ao ostracismo para deixar outros interessados demonstrarem que é possível administrar os recursos públicos de forma honesta e eficiente.
Assim sendo, eleitores destinatários destas linhas, a preocupação com o bom uso do voto é necessária. De nada adiantam as queixas emitidas contra os titulares de cargos públicos, se quem tem o poder de eliminar pretendentes indesejáveis não toma as medidas necessárias no momento certo.

4 de julho de 2012

NEM SEMPRE O CLIENTE TEM RAZÃO



Em um país no qual vereadores sem qualificação profissional ganham mais de sete mil reais mensais, enquanto professores pós-graduados recebem salários de novecentos e bem poucos reais, não se pode esperar que a educação esteja bem.

Porém, a crônica desta semana não tratará do problema da falta de valorização do professor no ensino público, mas sim do cuidado que deve ser tomado para que o ensino privado não seja desvirtuado.

Apesar de lecionar há mais de uma década em uma instituição de ensino superior que valoriza o professor e lhe concede todos os meios necessários para desenvolver o melhor trabalho possível, tenho observado fatos abomináveis ocorridos em outras academias.

Não há dúvida de que o ensino privado auxiliou valorosamente na democratização do acesso à informação e ao conhecimento, tendo disseminado unidades de ensino em locais que o Estado não conseguia atingir.

É através da educação de qualidade (pública ou privada), que cidadãos transformam suas vidas e melhoram a qualidade da vida de suas comunidades e da sociedade de modo geral.

Todavia, o que nem todos percebem é que a natureza do ensino privado é de um serviço “sui generis” posto à disposição do consumidor. É uma atividade na qual o cliente muitas vezes não tem razão alguma, pelo contrário, falta-lhe determinado conhecimento e, justamente por isso, está pagando para obter instrução que lhe permita acertar mais e melhorar como ser humano e profissional.

Justamente por essa razão, quando se replica indevidamente na relação professor-aluno, a lógica de que “o cliente sempre tem razão”, a conduta do professor fica cerceada e os resultados são desastrosos, tanto na formação do caráter do aluno-cliente, quanto no resultado final de sua formação profissional.

Assim sendo, quando o professor não pode avaliar livremente o aluno, não há verdadeira relação de ensino. Quando o professor é impedido de chamar a atenção do aluno que pratica o plágio nos seus trabalhos, não há verdadeira relação de ensino. Quando o professor não pode interromper um aluno que está colando, não há verdadeira relação de ensino. Quando o aluno sente-se no direito de levantar da sua carteira para agredir o professor é porque ruíram os valores que deveriam orientar a relação de ensino.

Não se pode permitir que o pacto da mediocridade domine a educação formal, ou seja, o professor não pode fingir que ensina enquanto o aluno finge que aprende. Há um relevante papel social a ser cumprido pelo professor, que deve receber autonomia para tal desiderato. Da mesma forma o aluno deve receber com postura ativa o método e o conteúdo propostos para o seu desenvolvimento.

Turmas de acadêmicos não são “fornadas”,tampouco produtos finais de um pacote ofertado ao público em geral, mas sim grupos de pessoas que devem passar por um efetivo processo de aprimoramento humanístico e técnico-científico.

Não existem atalhos fáceis. Somente com educação de verdade será possível descortinar um futuro com maior igualdade, respeito, fraternidade e liberdade para todos.


27 de junho de 2012

INVERSÃO DE PRIORIDADES

- O Dr. vai me desculpar, mas é que sou obrigado a fechar a delegacia quando vou ao banheiro, porque não tem mais ninguém aqui. Trabalho sozinho.

- Como assim? Você não tem uma secretária ou atendente, nenhum colega de trabalho?

- Que nada, aqui eu mesmo atendo os cidadãos, registro ocorrências, tomo depoimentos, faço os encaminhamentos e o que mais for necessário.

- Aliás, o Dr. tá vendo esse papel que estou usando para imprimir os boletins de ocorrência?

- Sim, por quê?

- Porque eu fui obrigado a comprar com dinheiro do meu bolso, caso contrário hoje não teria papel para atender a população. Falando em papel, também tive que comprar papel higiênico, pois também não tinha mais aqui na Delegacia.

Fecha aspas.

Já faz uma semana que tive essa conversa e até agora não consegui esquecer. Aqui não há ficção, estamos falando de uma realidade dura e cotidiana que demonstra o quadro pré-falimentar do Estado.

Aliás, a dificuldade financeira é tal que o Estado decretou um plano de corte de gastos com serviços terceirizados, aluguel de veículos, dentre outras despesas, mas que, aparentemente, não tem sido suficiente. Não é de hoje que o Estado tem se mostrado fraco e ineficiente perante as necessidades da população.

Uma ineficiência que se constata também no sistema penitenciário mal equipado, com falta de pessoal e que não atende a diversas disposições contidas na Lei de Execução Penal, especialmente a almejada reeducação do preso.

Uma ineficiência que se evidencia igualmente na educação, em que os professores precisam periodicamente entrar em greve para conseguir receber o mínimo necessário à sua subsistência, quase sempre sem atingir o objetivo.

Mas o que faz alguém que está em dificuldades financeiras? Quais providências toma aquele que não consegue pagar corretamente as suas contas e cumprir com os seus compromissos?

A resposta é fácil, deve diminuir despesas, evitar o luxo, o supérfluo e o desnecessário. Não é preciso consultar nenhum especialista ou guru para se atingir esta conclusão. Basta o bom senso.

Nesse sentido, cabe questionar: o Estado precisa manter a estrutura de nada menos do que 36 (trinta e seis) Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDRs)? A utilidade das SDRs vai muito além da fidelização de cabos eleitorais regionais? O Estado não consegue direcionar recursos e agilizar projetos sem as SDRs? Não será este um luxo dispensável e que geraria relevante economia aos cofres públicos?

Ainda sobre os excessos com dinheiro público escasso, vale relembrar o recente episódio no Show de Paul McCartney, no qual a Secretaria de Turismo do Estado pagou inaceitáveis R$ 800.000,00 (oitocentos mil reais) a título de locação de 2 (dois) espaços para colocação de estandes de divulgação da SANTUR durante o show.

Ao que parece, na administração pública nem sempre uma reta é o caminho mais curto entre dois pontos. O surrealismo impera a ponto do mendigo poder comprar carro importado, comer caviar, viajar para o exterior e ainda emprestar dinheiro aos amigos.

21 de junho de 2012

ANIVERSÁRIO DE CRIANÇA




















Atualmente as festas infantis estão mais complexas e converteram-se em verdadeiros eventos sociais dos pais, parentes e amigos, contando com uma série de recursos, equipamentos e, logicamente, os custos relacionados a essas novas necessidades.

Não digo que seja uma novidade, mas os aniversários possuem temas definidos que agora orientam toda a decoração, inclusive louças (mesmo descartáveis), enfeites, lembranças e alimentos.

As mães cuidam dos filhos durante a festa, mas contam também com o auxílio de recreadores profissionais, os brinquedos e músicas são politicamente corretos, os fotógrafos acompanham cada passo das crianças, assim como os garçons acompanham os copos dos adultos.

Relembro que na época de minha infância os aniversários também eram comemorados, porém de modo muito mais amador e familiar.

Nos dias atuais a palavra-chave é: praticidade, ou seja, é muito mais prático pagar para que alguém forneça espaço, brinquedos, alimentação e decoração do que providenciar todos esses itens e depois ainda ter que limpar a sujeira, lavar a louça suja e desmontar a decoração.

Não tenho dúvida de que se trata de um caminho sem volta, pois é inegável que as festas profissionais partiram de uma boa ideia e têm suas virtudes, ainda mais numa época em que grande parte das famílias passou a viver em apartamentos.

Porém, talvez por mero romantismo salpicado de nostalgia, eu seja obrigado a confessar que gosto mais das festas domésticas, pequenas, familiares e íntimas.

Lembro-me da época em que os encontros promovidos nos aniversários privilegiavam o convívio das vovós com os netos e destes com alguns poucos coleguinhas de escola, quando também as tias faziam os salgados e doces, os primos brincavam de esconde-esconde sujando suas roupas de terra e suor e as meninas ficavam na sala com suas bonecas.

Mesmo durante as festas havia “bullying”, mas ninguém sabia que era errado ou imoral e sobrevivemos muito bem a tudo isso. Os pais eram condescendentes e as crianças geralmente se perdoavam.

E os presentes? Nas festas de hoje, os presentes são coletados por pessoas treinadas e estrategicamente posicionadas na entrada, mas antigamente os presentes eram entregues pelos convidados diretamente para as crianças, que abriam na frente de todos naquele mesmo momento, o que era sempre uma incerteza de reação, principalmente se fosse um par de meias ou uma cueca.

A par das diferenças trazidas pela evolução dos costumes sociais, o que importa mesmo é o calor humano e a sinceridade de sentimento entre as pessoas que se reúnem para celebrar o crescimento de seus filhos, parentes e amigos, pouco importando se numa pequena festa doméstica ou no bufê mais luxuoso da região.

15 de junho de 2012

CECÍLIA MEIRELES





















Os teus ouvidos estão enganados.
E os teus olhos.
E as tuas mãos.
E a tua boca anda mentindo
Enganada pelos teus sentidos.
Faze silêncio no teu corpo.

E escuta-te.
Há uma verdade silenciosa dentro de ti.
A verdade sem palavras.
Que procuras inutilmente,
Há tanto tempo (...)

(Trecho de "Cântico)

13 de junho de 2012

O ABSURDO DOS SONHOS


























Do ponto de vista etimológico, a palavra “absurdo” provém do latim absurdus, que indica aquilo que não se quer ou não se pode ouvir, ou seja, aquilo que não se toleraria sequer ouvir, por ser inacreditável, irracional ou impossível.

Mas qual o maior reino do absurdo? Talvez seja realmente o mundo dos sonhos e dos sonhadores, que não encontra limites, tampouco paralelos na realidade concreta e cotidiana.

Por mais racionais que sejamos, admitimos em sonho verdades impensáveis, como viver no topo de um prédio cercado por jacarés urbanos ou bater os braços como asas para levantar voo, debater política com um tigre e tantas outras possibilidades e histórias que cada um de nós já vivenciou e pode voltar a vivenciar a cada nova noite de sono.

O que para muitos pode soar como mera bobagem que deve ser simplesmente esquecida, foi objeto de estudo por pesquisadores respeitados e revolucionários como Sigmund Freud e Carl Gustav Jung.

No mundo das artes plásticas, as representações muitas vezes simbólicas que são trazidas nos sonhos, assumem importância de relevo a ponto de terem sido eternizadas por centenas de artistas em obras de alto valor econômico.

Marc Chagal, por exemplo, chegou a pintar um pássaro humanoide que comandava o picadeiro de um circo (O Prestidigitador, 1943).

Pode-se citar ainda Henri Rosseau, René Magritte, Paul Delvaux e tantos outros, nunca podendo se esquecida a figura peculiar de Salvador Dali, grande ícone do Surrealismo que tentou aproximar consciente e subconsciente de modo quase científico em telas ricas em símbolos recorrentes como muletas, rochas, relógios e nuvens.

Talvez o sonho seja apenas um meio de exteriorização de desejos reprimidos e impossíveis ou uma forma turva e embaralhada de funcionamento do cérebro, porém, pode também representar um modo de comunicação do subconsciente que, por sua vez utiliza um padrão diferente de linguagem daquele que fomos educados para interpretar. Alguém duvida?

7 de junho de 2012

CONTRATO DE NAMORO

Foi-se o tempo em que o pressuposto fundamental e inafastável de uma relação afetiva era a confiança recíproca. Agora existem os relacionamentos baseados na confiança, mas há também aqueles que são formalizados justamente a partir de característica oposta, ou seja, a da desconfiança.

Digo isso, porque são inúmeros os casos de pessoas que acreditavam estar apenas namorando, quando na verdade, mesmo sem saber, já haviam dado um passo a mais, o da união estável.

Ao contrário do que muita gente pensa, é possível sim existir união estável mesmo sem a coabitação, ou seja, sem que as pessoas estejam residindo sob o mesmo teto, o que deixou mais tênue, em alguns casos, a linha divisória que a separa do simples namoro.

Há quem defenda, inclusive, a figura intermediária do “namoro qualificado”, para distinguir o namoro sério da união estável.

A partir dessa insegurança jurídica, diversos escritórios de advocacia passaram a produzir o chamado “contrato de namoro”, no qual as partes contratantes declaram expressamente que não convivem com o objetivo de constituir família e que este será o seu posicionamento até que assinem outro documento desconstituindo o contrato de namoro.

Embora seja um mecanismo formal possível e um elemento de prova que pode vir a ser utilizado em uma discussão judicial sobre a natureza do relacionamento, entendo particularmente que não é porque estou denominando uma maçã de laranja, que ela se tornará uma laranja.

Além disso, poderia até existir um namoro no momento da firmatura do contrato que, meses ou anos depois converteu-se espontaneamente em união estável.

Em outras palavras, se for possível provar que uma relação afetiva é pública, duradoura e com objetivo de constituição de família, não será o contrato de namoro por si só, que descaracterizará a relação de união estável.

Por essas e outras, vale mais viver espontaneamente e enfrentar os possíveis problemas de relacionamento que surgirem, do que preocupar-se demasiadamente com formalismos que se sobreponham aos sentimentos ou que elevem a preocupação patrimonial acima das questões humanas.

3 de junho de 2012

1 de junho de 2012

REALIDADE?







































Às vezes tenho a impressão de que a realidade é uma certeza inatingível. E se isso for certo, nada mais é.

30 de maio de 2012

O GOSTO DO SUBSOLO



Há algum tempo tive o prazer de conhecer o Maison Nerudiano em Santiago do Chile, um restaurante com espaço subterrâneo para declamação de poesias do Pablo Neruda e shows de Jazz.

Quando estava naquela ampla sala inferior, lembrei-me claramente que desde menino gostava de me esconder embaixo da cama, onde ficava por horas a fio, calado, sem precisar conversar com ninguém. 

Ali, sozinho, debaixo da cama, estava o meu microcosmo infantil, um universo particular, um submundo próprio criado pela imaginação fantasiosa daquela idade.

Dessa mesma época, relembro do desejo de ter um espaço no subsolo que fosse só meu, uma espécie de porão secreto, onde pudesse permanecer alheio a tudo e, ao mesmo tempo, protegido do mundo exterior.

Essa ideia de proteção não ocorre por acaso, afinal, existirá lugar mais protegido do que sob a terra? Os bunkers mais seguros são construídos no subsolo, inclusive para fins de prevenção a ataques nucleares.

Alguns poderiam adjetivar essa preferência infernal (subterrânea) como sombria ou melancólica, porém, o sabor psicológico desse tipo de lembrança vai muito além disso. 

O anseio de proximidade com o subterrâneo é muito mais uma vontade de introspecção, de busca por si mesmo e de depuração da alma.

Aliás, desde a Idade Média os Alquimistas proclamavam visita interiora terrae, retificandoque invenies occultum lapidem, como meio de busca do homem superior (Pedra Filosofal) e da sociedade aperfeiçoada.

Portanto, símbolos como a caverna, o porão, o subsolo, Jonas no ventre da baleia e o crânio vazio, são metáforas do autorrecolhimento que podem funcionar como um lenitivo para a alma e um meio de recuperação e superação das asperezas e dificuldades do mundo real.

No subsolo as imagens se confundem, as pessoas se encontram, as emoções parecem arcaicas, o silêncio é o único amigo e o gosto final é sempre doce.

24 de maio de 2012

FEIRA DE ADOÇÃO NO PRÓXIMO SÁBADO (26.05)

CASAS OU CAIXAS?

Será que sou apenas eu que não entendo de tendências, design e arte, ou é verdade que o reinado da platibanda na arquitetura contemporânea está tornando as casas cada vez mais próximas de caixas.


Foi-se o tempo em que ter uma casa com telhado em meia-água ou duas águas era critério de distinção social. A tendência agora se inverteu. O negócio é esconder o telhado.

Particularmente, não me adapto bem com a ideia. Para mim, casa deve ter cara de casa, como sinônimo de lar, acolhimento e aconchego. Casa mesmo é aquela com formato quase arquetípico, que a criança aprende a desenhar ainda na pré-escola, com telhado aparente, janela, porta, jardim e árvore.

Acho que a padronização inconsciente da cultura humana tem se expressado na arquitetura contemporânea. Hoje o que distingue uma casa da outra, tem sido os detalhes da fachada ou o do ajardinamento, porque há ruas em que se encontram apenas essas tais caixas de alto padrão enfileiradas dos dois lados e, nada mais.

Gosto daquela ideia da casa da infância, dotada de humanidade. Aquela casa que não aspira a perfeição, que dá vazão às paixões humanas, que é acolhedora, protetora e serve de refúgio. Com o fechar de uma cortina, encerra-se o mundo externo.

Diria o psicanalista que estou descrevendo o ventre materno e não uma casa, mas a identificação onírica entre os dois é evidente, como atesta Gaston Bachelard:

“Desde que nos orientemos na sombra, longe das formas, esquecendo a preocupação com as dimensões, não podemos deixar de constatar que as imagens da casa, do ventre, da gruta, do ovo e da semente convergem para a mesma imagem profunda.”

E se as casas sem telhado parecem muito com caixas, o que são os edifícios, senão empilhamentos de caixas habitáveis.

Podemos não perceber, mas estamos vivendo empilhados uns nos outros e também nos locomovemos embalados em caixas automóveis.

Ao que parece, estamos passando por um progressivo movimento de autoencaixotamento, seja porque o aumento da densidade demográfica exige a otimização do espaço-tempo, seja porque a procura por espaço provoca o aumento do seu preço segundo a lei de mercado.

Pode parecer nostalgia, mas tenho a esperança de um dia voltar a viver numa casinha à moda antiga, com telhado aparente, janela, porta, jardim e árvore.